sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Tiririca passa no teste de leitura, e pode assumir como deputado federal e Brasil tem segundo maior índice de analfabetismo da América do Sul

por Francisco Mattos
A queda de 29,1% na taxa de analfabetismo entre 1996 e 2006 não foi suficiente para tirar o Brasil do incômodo penúltimo lugar no ranking de alfabetização na América do Sul. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados nesta sexta-feira, o percentual de brasileiros que não sabem ler e escrever é inferior apenas ao da Bolívia, onde a taxa de analfabetismo foi de 11,7% em 2005.
Em relação a todos os países latino-americanos e caribenhos, o Brasil também vai mal no quesito: tem o 9º pior índice do grupo.
Mais grave ainda é a situação do Nordeste, que tem o mais elevado índice entre as cinco regiões do país. Na média, um em cada cinco nordestinos declarou que não sabe ler nem escrever um bilhete simples. Se fosse um país, o Nordeste teria o 5º pior desempenho em alfabetização da América Latina e Caribe, à frente apenas de Honduras, Guatemala, Nicarágua e Haiti.
Na comparação de dados de população urbana da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) com os da Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) em 2005, o Brasil se saiu pior do que vizinhos de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mais baixo, como Peru, Venezuela e Colômbia.
A taxa brasileira de analfabetismo, 11,1% entre os maiores de 15 anos, ficou, em 2005, acima da média do grupo, que foi 9,95%. O número divulgado pelo IBGE referente a 2006, 10,4%, também está acima dessa linha.
O contingente de analfabetos no Brasil acima de 15 anos, 14 milhões de pessoas, coloca o país no grupo das 11 nações com mais de 10 milhões de não-alfabetizados, ao lado do Egito, Marrocos, China, Indonésia, Bangladesh, Índia, Irã, Paquistão, Etiópia e Nigéria.
O grupo é considerado prioritário para a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), que criou programa de metas de erradicação de analfabetismo até 2015.
Falhas gritantes no ENEM desencadeiam uma série de protestos. Lula, nosso, ainda, presidente nordestino, minimiza a falha na segurança e o vazamento de questões pelo twitter, postadas por candidatos de dentro de sala de aula.Os temas explicitados no título não se complementam? Veja o quadro abaixo:

Analfabetismo na América Latina
e Caribe*
Haiti 45,2
Nicarágua 31,9
Guatemala 28,2
Honduras 22,0
El Salvador 18,9
República Dominicana 14,5
Bolívia 11,7
Jamaica 11,3
Brasil 11,1
Peru 8,4
México 7,4
Colômbia 7,1
Equador 7,0
Panamá 7,0
Venezuela 6,0
Paraguai 5,6
Porto Rico 5,4
Belize 5,3
Bahamas 4,2
Costa Rica 3,8
Chile 3,5
Antilhas Holandesas 3,1
Argentina 2,8
Cuba 2,7
Uruguai 2,0
Trinidad e Tobago 1,2
Guiana 1,0
Barbados 0,3
Média 9,95

28/09/2007

Técnicas de elaboração de artigo científico

Postagens populares